quinta-feira, 15 de janeiro de 2009



Absorvo a cada introspecção
nova releitura de mim mesma
Novas saídas, novas verdades
Inevitáveis verdades...

Os pulsos já roxos pelas amarras da vida
delatam a agonia em viver, a dor de ser humano
e a cruel realidade do caminho que se percorre

Somente meu refúgio interior me liberta das pressões externas
da loucura alheia, da influência dos homens...
Somente o mergulho na minha real essência me faz acreditar naquilo que realmente sou (ou gostaria de ser)


Não quero macular o que ainda há de verdadeiro
Nem tampouco deixar passar o que há de bom
Quero manter vivo o que há de mais humano e diáfano em mim...

Michelle Matias

Um comentário:

danúbia disse...

puro estado de espírito...

bela imagem...

bjs de dentro