quarta-feira, 25 de março de 2009






Às vezes tenho lembranças que não são minhas
e que nem sei ao certo se as vivi
é como se houvesse outra vida
da qual eu não fiz parte.

Ou será a vida que inventei pra mim
A vida que me foi tirada
E que idealizo nos sonhos
Como forma de sobreviver ao real

Assim posso apagar as tentativas
Extravios, dias inúteis, sofrimentos perdidos.

Não será o sonho uma infinita e confusa atividade
Onde ensaiamos a vida?
E que no final resta uma fulgaz sensação de realização?
Apenas alguns instantes de frágil felicidade?
De uma felicidade fantasiosa...

Sonhos: idéias e imagens confusas que se apresentam ao nosso espírito.
Algo entre a utopia e a realidade.




Michelle Matias

Um comentário:

marden disse...

Certamente você é uma pessoa dos livros, moça! rs