quinta-feira, 28 de maio de 2009






Entre nós
Ausência, surdez, cegueira.
Nada.
Nenhum eco.
Duram mais os amores silenciados.
Michelle Matias

domingo, 10 de maio de 2009







Escrevo pra colorir o papel gris
Que precisa de palavras que não se diz
Que precisa de inspiração para seguir
Escrevo pra fazer feliz
Pra dizer o que a razão não nos deixa sentir
Pra dizer o que me convém o que me condiz
Escrevo pro preto pro branco pro amarelo escrevo pra ti
Escrevo por que não sei o que vai ser de mim
Escrevo porque não consigo fugir
Escrevo.
Assim consigo existir.
Michelle Matias

quinta-feira, 7 de maio de 2009






Em outras palavras diria que ainda há chance.
Em outras palavras diria ser possível me ver em você.
Em outras palavras diria que o amor ainda é possível.
Em outras palavras eu até tentaria transformar (um pouco) o que em mim está cravado.
Em outras palavras, eu poderia ser a mulher que lhe dá um abraço.
A mulher que tens como regaço.
Mas assim como sou, não seria capaz de amar,
Como no dia em que houve amor.
Amar um homem que não sabe quem eu sou.


Michelle Matias




Se você ouvisse a voz que ouço...
A voz que me atravessa
Que traspassa meus ouvidos
E incidi sobre a alma,
com palavras que sobrevoam
O meu ser,
Preenchendo o inevitável esvaziamento (emocional)
O inevitável vazio.
Se você ouvisse a voz que ouço...
Essa voz que me diz
O que os sentidos querem dizer,
O que muitas vezes não sou capaz de conceber...
Acharia tudo o que acho, normal.

quarta-feira, 6 de maio de 2009





Ele me trouxe flores mortas
E ofereceu ao amor
Que foi embora...

Ao amor que ficou...
Apenas como ferida aberta
que não sangra e nem faz sentir dor.

Onde ficou apenas um espaço vazio
Atrelado aos mistérios que não foram repartidos...
Ao amor que não foi vivido em seu esplendor.


Não fomos cúmplices...
Não trocamos segredos íntimos
Não soubemos amar o amor...
Que nos foi permitido.
Michelle Matias

segunda-feira, 4 de maio de 2009






Tenho os olhos tristes...
Onde se vê que não é meu
O meu lugar...

Em minha carne tenho todos os desejos
Todo o sabor da vida...
Todo o sabor da morte...

Tenho na alma toda imensidão do mar
Que cobre de água salgada os olhos tristes
E a carne de tormentas ...

Tenho no espírito enigmas...
Que só apontam pro que é maior que a minha existência.
Michelle Matias






Hoje acordei
Sem saber...
Se vivi
Ou se sonhei.
Michelle Matias




Extravaso
Repúdio
Critico
Toda a bestialidade humana
Toda a soberba dos “reis” sem coroa
Toda a pobreza do que é mesquinho
Toda a superficialidade que há em nosso caminho
Toda a humanidade sem um traço de humanitarismo
Toda “Tv” que empobrece nossa capacidade intelectual
E tudo aquilo que cheira a religião e não engrandece o espírito.


Michelle Matias