sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Consciência Negra




Consciência negra. Lei N.º 10.639, de 9 de janeiro de 2003.O dia da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695.



Hoje é um dia em que os negros ficarão em “evidência”, suas conquistas, suas lutas e todo o injustificável martírio pelo qual eles foram submetidos. É indiscutível a importância do dia de hoje. Mas, uma dúvida cruel me acometeu, leis, comemorações, dia disso ou daquilo, mudam a consciência?Pra mim não.
Num país onde a miscigenação define o perfil da população desde os tempos dos portugueses e dos índios, onde nem mesmo o que se define o mais ariano, deixa de ter na sua árvore genealógica um pé ou até mesmo o corpo inteiro nessa amálgama de raças, como dizia Gilberto Freyre: "Todo brasileiro, mesmo o alvo, de cabelo louro, traz na alma, quando não na alma e no corpo, a sombra, ou pelo menos a pinta, do indígena e/ou do negro."
Essa consciência,sim, já deveria ser genuína. E não só no dia 20 de novembro, de cada ano dedicarmos nossa reflexão sobre a diferença racial, sobre a inserção ou não do negro numa sociedade onde a exclusão é o que fielmente traduz a condição do negro no Brasil, por mais contraditório que isso seja.
Afinal, o Brasil depois da África é o país que concentra a maior população negra do mundo e também onde os negros permanecem ocupando a mais baixa localização na pirâmide social, para mim isso é negar as origens, é negar cruelmente o sangue que corre em nossas veias. É repetir de forma velada todo o sofrimento da escravidão.
Consciência? O brasileiro está muito longe de chegar lá!