quinta-feira, 11 de novembro de 2010

inaugura-te



Ainda acredito em qualquer coisa muda
na estreia rarefeita de suas ideias
de suas virtudes de sua beleza
E antes que tudo ou nada, seja tarde...
Espero que tenhas mais raízes
que as flores plásticas no centro da mesa.


M.M.

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

para os dias de Camila...




Venha, vou te ensinar a contar
em seus pequenos dedos Camila
Vou te mostrar os pingos de chuva
E que a vida tem que ser vivida, menina
Sonhe...
E vamos voar, feito as andorinhas
Desenhar nas nuvens, a fantasia de cada dia
E nunca, te deixarei sozinha...
Corra, deixe o vento soprar nos seus ouvidos
Que todo a amor tem que ser recebido
Com a inocente inocência do seu coração
E não tenha medo, pequena, não tenha medo
Só te resta a vida inteira...



M.M.

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

uma questão de caráter





O que fere não é a sua falta de bom senso
E essa sua infelicidade de ser infeliz.
Nem esse seu caráter distorcido, nem a sensação de ser traído
Pois seu mundinho decadente, sem sentido
Combina com seu “modelito da estação passada”
Com essa coroa de lata que tem o rei do seu umbigo.
O que me sangra não é o abismo das suas futilidades
Nem tampouco a sua falta de sinceridade
Sua tamanha bestialidade
O que me desgasta e ter te deixado roubar
A minha inocência de acreditar.
O meu riso mais aberto.




M.M.

domingo, 15 de agosto de 2010

CLARA




Ela chegou...
Não era anjo, querubim ou serafim
Nem venho de uma nuvem, uma ilha ou nave
Mas, clara, clareou todas as faces,
E como um encanto fez cair o meu disfarce
Fez do meu canto o canto da serenidade

Ela chegou...
Fantasiada, pintada
De azul, ocre e lilás
Cheirando a rosas
Lírios e paz

Ela chegou...
De horizontes bonitos
D’onde o amor faz sentido
E Incendeia
Clarece
Clareia
O que há de mais cinza em mim.


M.M.

sábado, 14 de agosto de 2010





Poesia é (c)oração?


M.M.




Não me culpe por idolatrar a falta de bom senso
Normalmente, sou alheia a consensos


M.M.

sexta-feira, 30 de julho de 2010





O Ministério da saúde adverte:
Sinceridade causa danos a alma alheia
.


M.M.


Preciso recuperar urgentemente todas as coisas que ainda desconheço...

M.M.

sábado, 8 de maio de 2010





Se de fato as coisas acabam
tenho em mim um santuário
Em que preservo
o que me faz eterno...


M.M.

Fim?!





Uma lágrima tola escorreu
E se transformou em esboço de despedida...
apenas mais uma partida.



M.M.