sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Sonhos que dormem, sonhos pra dormir.





 Às vezes dá um certo arrepio
Como do vento na pele
Como lembrança má que ocorre
Como sentimentos que se repele
Ás vezes é como pranto
Como quando se espreme e sai entre os dedos
Como quando se escondem segredos
Como os olhos que se fecham entre as mãos
Às vezes o grito sai mudo
Como no peito a amargura
Como na garganta um soluço
Como doença que não tem cura
Às vezes é só silêncio
Como quando tudo tem que calar
Como o sonho que se quer lembrar
num simples acordar de súbito...

M.M.

Nenhum comentário: