sexta-feira, 14 de março de 2014

Leio logo existo





Eu acredito que todo mundo deve ter algo que o tire da rotina. Uns correm, outros vão a festas, outros ouvem música (eu ouço muita), etc. Pra mim, não há nada melhor que a leitura. Não só por aprender coisas novas, adquirir novos conceitos, entender que a vida é uma eterna evolução, mas pelo poder que ela tem de nos transportar para outros mundos, outras eras e entrar num mundo de fantasias e imaginação. Quando leio, me transporto. Vou a Portugal de Pessoa, A Alemanha de Nietzsche, e ao sertão de Guimarães Rosa, entro na trama de Ayn Rand e no politicamente incorreto de Pónde. São tantas as possibilidades, que não posso mensurar. Porque quando leio, somos eu e o livro.

Michelle Matias.

quinta-feira, 13 de março de 2014



Passando de um canal para o outro, um tanto entediada com a programação resolvi parar num desses canais religiosos, pura curiosidade e tédio mesmo. Até que ouvindo o tom de voz enfático e as práticas mágico-religiosas de certo pastor, (esse que já foi preso, já foi acusado de desviar os dízimos e as ofertas da instituição, entre outras falcatruas) Fiquei me perguntando onde isso vai parar. Sinceramente, eu não enxergo uma saída de emergência, muitas vezes me pego assustada com o mundo que me cerca, com a televisão que cada dia me vejo obrigada a desligar, com pessoas que não enxergam nem um palmo diante do nariz... Até quando vamos fazer de conta que nada está acontecendo? A religião é apenas um dos pontos em que nossa sociedade está definhando... Em um tempo que por onde olho há novas igrejas, novos templos, novas religiões... Que na verdade, estão anos luz distante de Cristo. Usando a palavra de Deus como ferramenta para a manipulação. Lembro-me daquele dito popular que afirma que “o pior cego é aquele que não quer ver”, posso crer que a pior cegueira é a cegueira do espírito, que transforma a fé em Cristo numa crença estéril, pois nada faz além de satisfazer o ego de pessoas que fazem da fé e da crença do outro um negócio lucrativo. Eu me pergunto o que fazem essas pessoas que andam com a Bíblia debaixo do braço, que deixam elas abertas em seus oratórios, que a levam ao culto de domingo. Porque basta a pessoa ter um pouco de senso critico e vontade de entender, que ela vai perceber que a instituição a qual ela está inserida nada tem a ver com Cristo, simples assim. Então esses homens que fazem da fé - business estariam longe dessas pessoas e instituições, pois elas teriam entendido os valores e verdades da Boa Nova, e seriam verdadeiros seguidores de Cristo.

Michelle Matias