quinta-feira, 22 de janeiro de 2015



Provisoriamente não cantaremos o amor,
que se refugiou mais abaixo dos subterrâneos.
Cantaremos o medo, que esteriliza os abraços,
não cantaremos o ódio, porque este não existe,
existe apenas o medo, nosso pai e nosso companheiro,
o medo grande dos sertões, dos mares, dos desertos,
o medo dos soldados, o medo das mães, o medo das igrejas,
cantaremos o medo dos ditadores, o medo dos democratas,
cantaremos o medo da morte e o medo de depois da morte.
Depois morreremos de medo

e sobre nossos túmulos nascerão flores amarelas e medrosas

Carlos Drummond de Andrade

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015






"A fé é um exercício pra vida inteira.

Muitas e muitas vezes
eu me distancio incrivelmente dela,
achando que posso resolver tudo sozinha.
Não é raro nessas ocasiões,
na verdade é bastante comum,
eu me atrapalhar toda num turbilhão
de emoções que me drenam a energia e o sorriso.
Mas, toda vez que consigo acessá-la de novo, 
tudo se modifica e se amplia na
minha paisagem interna.
Na fé, eu sou capaz de me dizer, 
com amorosa humildade,
que grande parte das vezes
eu não sei o que é melhor para mim.
Eu não sei, mas Deus sabe..."

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015




Ó meu corpo, protege-me o mais que puderes da alma. 
Vive, não morras, não me abandones sozinha a ela. 
Não desfaleças, permanece forte a fim de mantê-la presa, fechada, impossibilitada de prejudicar-me. 
Come, bebe, engorda, torna-te espesso para que ela me seja menos pungente. 
Protege-me dela o mais que puderes. Defende-me com toda substância, com todo peso, com toda a terra que tens sob os pés. 
Salva-me dela!
 
Marie Noel.